Exclusivo: em meio à violência, emergências viram hospitais de guerra no Rio

A violência das ruas transformou as emergências de hospitais localizados dentro de zonas de conflitos em verdadeiros centros de atendimento de guerra. Só este ano, foram 400 pessoas vítimas de armas de fogo; uma média de dois baleados a cada 24 horas. A dura realidade mexe também a rotina dos médicos cariocas. Para salvar vidas, os profissionais de saúde buscam sempre novas técnicas e alternativas; soluções bem diferentes das ensinadas nos livros de medicina.