Superlotação e falta de profissionais ameaçam o maior pronto-socorro do coração no Recife

O maior pronto-socorro de doenças do coração do Recife está lotado e os pacientes estão desesperados. Eles são atendidos em macas improvisadas nos corredores. Funcionários alertam que a situação aumenta o risco de infecções no hospital. São cerca de 20 médicas e enfermeiros para um público que, na maioria das vezes, é de 120 pacientes. A direção do hospital administrado pela Universidade de Pernambuco, reconhece a superlotação e informou que há um edital aberto para a contratação de novos profissionais.